Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Como se fosse a primeira vez

por JL, em 02.05.19

Era dia 13 de abril e estávamos em pleno Estádio da Luz, no intervalo do Benfica – Bayern Munique, com o marcador a assinalar 1-1, na partida da segunda mão dos quartos-de-final da Liga dos Campeões, quando partilhei com alguns amigos a minha inusitada e recente experiência na Corrida do Benfica António Leitão, três dias antes. Natural reação de genuíno espanto, mas depois, refeitos e mais acomodados à ideia, o José, o Mário e Ilídio desafiaram-me à real prova de valentia: “Se pensas que consegues correr, então agora tens de tentar os 15 km na Corrida Internacional 1º de Maio!” Tão conhecedor do universo das competições de atletismo popular como de astrofísica ou de agricultura sintrópica, questionei-os desconfiadamente sobre essa tal prova que se adivinhava na próxima esquina da mudança de mês. Mas soube apenas que era organizada pela CGTP no dia 1 de maio, pois a segunda parte estava a começar.

Em casa, curioso acerca da conversa do intervalo, googlei com sucesso. Ali estava ela! Ainda a tempo de inscrições. Não me alongo sobre recuos e indecisões, devido ao receio de fazer 15 km, avançando diretamente para a linha de partida desse 1º de maio de 2016. Nesse momento, ainda não sabia que estava na pista de uma prova que se tornaria uma das minhas favoritas. Nesse ano, nessa minha segunda experiência competitiva, conclui espantado os 15 km em 1:09:44. Uma surpresa que não me fez esquecer a dificuldade da subida da Almirante Reis, em particular aquele troço final junto da João XXI… Depois disso, já não houve pernas que me valessem para qualquer tipo de aceleração e limitei-me a arrastar-me até ao final.

Em 2017, regressei mais ousado e reforçado com umas sapatilhas Supernova Glide Boost 7, descobertas em promoção, que me aconchegaram os pés na 1:04:33 de duração do percurso. Cinco minutos mais rápido! Tudo correu bem e até a Almirante Reis me pareceu mais plana. No ano seguinte, em 2018, já acreditava estar noutro patamar, e apetrechado com uns Adios 3, acelerei para 1:01:50, pulverizando o meu melhor tempo dos 15 km, alcançado na Corrida dos Sinos desse ano, e retirando 2:40 ao melhor que tinha feito no anterior passeio pela Almirante Reis.

Assim, não havia volta a dar e chegava a 2019 bastante motivado para a quarta participação consecutiva. Razões para isso? Muito poucas. Como me falta o tempo e as responsabilidades e deveres parecem multiplicar-se, deixei de frequentar o ginásio. Tento compensar com mais treino em estrada, mas já desisti de seguir qualquer tipo de plano, limitando-me a treinar como e quando posso, nem que sejam uns minutos perto de casa, mais ou menos de acordo com algumas coisas que li aqui e ali. Apenas tento aumentar bastante as distâncias de treino em preparação para as provas mais longas e desta feita até fiz uns exercícios em rampas bastante mal-amanhados… No entanto, o corpo parece que se vai modelando de acordo com a prática regular. O que se reflete nas provas.

Assim, conclui a minha quarta participação na Corrida Internacional 1º de Maio com 1:00:54, numa prova que correu razoavelmente bem, apesar do calor e do vento, e, claro, daquela Almirante Reis que continua seriamente a antipatizar comigo. Aliás, esta prova foi como que um regresso às dificuldades da primeira participação, pois há algum tempo que não terminava tão exausto. Além do vento forte, sol e calor, aquela sensação dos músculos estarem prestes a ceder, e até o relógio resistiu a colaborar. Não consegui o GPS, que me permite gerir mais equilibradamente as provas, tendo feito todo percurso de acordo com o feeling do momento, como fazia nas primeiras edições. Por acaso, correu bem, mas receio sempre entusiasmar-me demasiado sem o aviso do relógio e gerir mal o esforço.

Algumas palavras finais para o nível de competitividade desta prova, que é uma clássica com história. Apesar de um menor número de participantes que em anos anteriores, voltaram a registar-se resultados interessantes, com o vencedor, Pedro Arsénio (CF Belenenses), a terminar com 48:21. Em femininos, Daniela Sousa (GD Estreito), conseguiu 56:56. As classificações estão disponíveis no website da Xistarca.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:24


3 comentários

Imagem de perfil

De MJP a 02.05.2019 às 10:58

Muitos Parabéns!
Dia Feliz!
Imagem de perfil

De JL a 02.05.2019 às 14:47

Obrigado.
Igualmente, um dia feliz!
Agora, há que aproveitar o Sol!
Imagem de perfil

De MJP a 02.05.2019 às 14:49

É verdade! (por aqui... parece que já estamos no verão)!
Obrigada!

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D